Por Victor Miller em outubro de 2018

A Telltale Games, estúdio responsável por jogos de sucesso como Minecraft Story Mode, The Walking Dead The Wolf Among Us, está “fechando as portas”. A informação veio das redes sociais da empresa.

“Hoje, a Telltale Games tomou a difícil decisão de iniciar o fechamento de um estúdio majoritário após um ano marcado por desafios insuperáveis. A maior parte dos funcionários foram demitidos no início da manhã, e um pequeno grupo de 25  ficam para cumprir as obrigações com seu conselho e parceiros. O CEO Pete Hawley deu a seguinte declaração:

‘Tem sido um ano incrivelmente difícil para a Telltale, pois trabalhamos para definir a empresa em novo curso. Infelizmente, ficamos sem tempo tentando chegar lá. Lançamos nosso melhores conteúdos este ano e recebemos uma tremenda quantidade de feedbacks positivos. Contudo, em última instância, isso não traduz em vendas. Com pesar no coração, observamos nossos amigos saírem hoje para divulgar nossa marca como contadores de história através da indústria de games.’

Telltale ainda publicará mais comentários sobre seu portfólio de produtos nas próximas semanas.”

Jogos prometidos como The Wolf Among Us 2, Game of Thrones 2 e um game da série Stranger Things foram cancelados. Já o The Walking Dead The Final Season, que teve seu primeiro capítulo lançado, possui destino incerto, mas há poucos dias a própria Telltale pediu para que as lojas retirassem o game de seu catálogo, indicando que será cancelado também.

Com o anúncio, empresas importantes do mundo dos games demonstraram solidariedade aos ex-funcionários da empresa através da hashtag #TelltaleJobs, incluindo a Sony Santa Monica, Compulsion Games, Insomniac, e até alguns estúdios disseram que estão com “portas abertas” para os funcionários, como a Zenimax, Ninja Theory, Guerrilla Games e a Ubisoft San Francisco.

“#TelltaleJobs – encontre-nos na segunda-feira, dia 24/9 no pátio BJ´s em San Rafael as 4:30 da tarde. Vamos falar sobre oportunidades de trabalho com alguns drinks e comida, nosso trato” 

A pergunta que fica é: se a Telltale tem diversos jogos de sucesso entre o público e a crítica e já ganhou diversos prêmios, por que os games não rendem o retorno financeiro o suficiente para manter a empresa?

A Telltale foi uma “nova esperança” após o fim da LucasArts

O estúdio foi fundado em 2004 por três dissidentes da antiga LucasArts: Kevin Bruner, Dan Connors e Troy Molander.

Durante o final dos anos oitenta e boa parte dos noventa, a LucasArts ficou famosa por jogos do gênero Adventure, também conhecido como “aponte e clique”, onde você clica em algum ambiente do cenário com o mouse para que o personagem faça algo. O objetivo é solucionar enigmas, pegando itens “aqui” para destravar “coisas acolá” e acompanhar uma história.

The Dig é mais um clássico da Lucas Arts.

Os desenvolvedores tentavam compensar a pouca interação com outras virtudes, principalmente a história elaborada e personagens carismáticos. Além disso, muitos jogos eram dublados devido a mídia em CD-ROM e seus visuais eram consideravelmente superiores aos games para consoles 8 e 16 bits, justificando a popularidade entre os gamers de PC. Fora isso, muitos games eram baseados em séries de sucesso, como Indiana Jones.

Na segunda metade dos anos noventa, o gênero entrou em declínio devido ao avanço dos jogos com gráficos em 3D e uma demanda cada vez maior por interatividade para dar ao jogador a possibilidade de “fazer o que quiser”, o que não é a realidade do gênero.

Um dos últimos projetos da LucasArts foi o Grim Fandango, game que rendeu sucesso de público e crítica em 1998, mas acabou vendendo 500 mil cópias, um fracasso comercial. Com isso, diversos projetos como continuações de Full Throttle e Sam & Max foram cancelados e alguns anos depois a empresa decidiu que não produziria mais jogos do gênero.

Grim Fandango foi sucesso de público e crítica e ganhou diversos prêmios, mas não emplacou comercialmente (Foto: Reprodução)

Essa decisão que motivou o trio mencionado anteriormente a fundar a Telltale Games. Supõe-se que eles acreditavam que ainda havia espaço entre os gamers que queriam jogos com ênfase na narrativa e que fossem divertidos, mesmo com pouca interatividade, surgindo aí o nome do estúdio, que em nosso idioma é “Contadores de História”.

Se adaptando a nova realidade

Se o gênero não era mais o interesse da grande massa de jogadores, a Telltale decidiu que seus jogos seriam lançados apenas em distribuição digital, que estava “engatinhando” na época, o que também iria baratear os custos de distribuição.

Já os games seriam lançados em formato episódico, sendo o primeiro estúdio a fazer isso, além de uma engine própria, a Telltale Tool, que facilitaria no desenvolvimento de futuros games e também iria baratear o desenvolvimento deles.

Batman da Telltale utiliza uma engine própria, assim como a grande maioria dos games do estúdio.

Além disso, como o “aponte e clique” não era mais o interesse do público e estes eram mais lembrados pelas boas histórias entre os fãs remanescentes, a Telltale decidiu que seus jogos focariam quase que inteiramente na narrativa e praticamente todos os jogos têm alterações na história a medida que você escolhe o que o personagem deve fazer.

No entanto, seus primeiros games ainda tinha elementos de aponte e clique com solução de enigmas, porém mais simplificados quando comparado aos games da LucasArts.

Como esta última não produziu mais a continuação de Sam & Max, a Telltale adquiriu os direitos e desenvolveu o game Sam & Max Save The World. Além deste, durante seus primeiros anos fez jogos destinados a pequenas comunidades de fãs e com isso ela foi crescendo.

A partir de 2010 que a Telltale passou a ter parcerias mais expressivas, fazendo jogos como De Volta para o Futuro e Jurassic Park, sendo que este foi o primeiro a ter “a cara” dos jogos da Telltale em que os enigmas praticamente não existem em favor da narrativa e da cinemática.

Jurassic Park da Telltale foi o primeiro jogo a ter o estilo característico do estúdio.

Depois vieram os games que a maioria conhece, como The Walking Dead, sendo este o responsável a levar a empresa ao “estrelato” e revitalizar o gênero, Minecraft Story Mode, The Wolf Among Us, Batman, Guardiões da Galáxia, todos estes baseados em séries de sucesso.

As polêmicas do estúdio

Depois do auge da popularidade e ter mais de 400 funcionários na segunda metade de 2015, em 2016 veio a primeira crise, pois de vários jogos lançados, apenas o The Walking Dead, Minecraft Story Mode e 7 Days to Die (atuando como publisher) estavam rendendo lucros.

Os outros games no mercado estavam dando prejuízos, com destaque para o Batman: The Telltale Series, um dos maiores fracassos comerciais da companhia, também muito criticado pelos bugs.

The Walking Dead da Telltale é um dos principais jogos do estúdio.

Com isso, o estúdio passou por um processo de reestruturação e demitiu 90 funcionários, com o objetivo de que eles conseguissem entregar menos jogos, com equipes menores, porém com maior qualidade.

Os ex-funcionários também reclamavam que os líderes da Telltale queriam que utilizassem o formato proposto em The Walking Dead na íntegra, sem a liberdade de fazer qualquer alteração na fórmula.

Minecraft Story Mode é outro título bem popular da Telltale.

Em junho de 2018, um dos fundadores da Telltale, Kevin Bruner, entrou com uma ação na justiça alegando que teve prejuízos financeiros e que a diretoria o removeu sem aviso prévio.

O tempo passa e a história se repete

Chama a atenção as semelhanças entre a história da Telltale e a LucasArts:

  • LucasArts cancelou as aguardadas continuações de Sam & Max e Full Throttle; Telltale cancela as aguardadas continuações de The Wolf Among Us, Game of Thrones e um jogo de Stranger Things;
  • Tanto uma quanto a outra ficaram famosas por explorar marcas conhecidas, a LucasArts com games de Indiana Jones e Star Wars, enquanto a Telltale veio com The Walking Dead e Minecraft;
  • LucasArts tinha uma engine própria, a SCUMM, e a Telltale tinha a Telltale Tool;
  • Ambas tiveram problemas em se adaptar as transformações no mundo dos games;
  • As duas saíram do mercado com uma significativa legião de fãs.

Todo fim é um novo começo

Em uma época onde os jogos sucesso são os que “apostam” em mundo aberto, em que o jogador tem a liberdade de fazer o que quiser a hora que quiser, é um desafio para empresas fazerem jogos que girem apenas em torno da narrativa.

No entanto, há pessoas que demandam por este tipo de game, sendo a oportunidade de algum outro estúdio ver “a luz do dia” e continuar o legado deixado pela Telltale e LucasArts.

Enquanto existirem jogadores para um gênero, existirão estúdios que os desenvolverão.

Deixe sua Opinião

Deixe sua opinião

Seu e-mail não será publicado. Os campos * abaixo são requeridos.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esqueci a Senha

Entre com seu nome de usuário ou e-mail. Você receberá pelo e-mail registrado um link que lhe criará uma nova senha.